Quando vale a pena usar tráfego pago na sua empresa?

Tempo de leitura: 7 min

Escrito por admin
em junho 24, 2022

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Você já ouviu falar em tráfego pago? Apesar de muitas companhias terem um certo tipo de receio com esse tipo de estratégia, ou até mesmo preferir as conquistas do tráfego orgânico, pagar para ter acessos em seu site pode ser um bom investimento. 

Isso porque, devido aos algoritmos e desenvolvimento de inteligências artificiais, tem ficado cada vez mais difícil conseguir produzir conteúdos na internet que de fato cheguem ao público pretendido.

Dessa forma, o tráfego pago muitas vezes também pode ajudar em negócios que estão começando suas estratégias de marketing e até mesmo ainda não encontraram a forma correta de conversar com seu público. 

Confira a seguir tudo o que você precisa saber sobre tráfego pago, bem como os benefícios dessa estratégia, quando ela deve ser utilizada para que você possa entender qual o melhor momento de fazer esse tipo de investimento. 

O que é tráfego pago?

Assim como uma boa faculdade de vendas, o tráfego pago pode fazer uma grande diferença quando o assunto é estratégia de marketing e até mesmo o aumento da quantidade de clientes. 

Pensa-se desta forma pois, quando se fala em tráfego pago, é importante entender que essa estratégia abrange toda a audiência de um site ou blog que vem de anúncios feitos em mecanismos de busca, como, por exemplo, o Google, ou redes sociais como o Facebook e Instagram. 

Isso significa que, basicamente, o tráfego pago é um meio onde a companhia paga para obter um aumento nas visitas de sua página, diferente de um tráfego orgânico, em que o visitante chega em determinado endereço eletrônico por outros fatores. 

Entretanto, vale a pena informar que não é o internauta em si que recebe o dinheiro que você investiu para que ele chegue até o seu site, mais sim as ferramentas e plataformas em que foi hospedado o seu anúncio, como o próprio Google e as redes sociais. 

Com isso, embora seja possível aprender até mesmo no melhor curso de gestão financeira, mesmo sendo possível obter sucesso no crescimento orgânico, ele acaba sendo mais demorado

A partir disso, muitas estratégias combinam os benefícios do tráfego pago com o orgânico, buscando, literalmente, o melhor dos dois mundos.

Vale lembrar que apesar do tráfego orgânico ser gratuito, o tráfego pago muitas vezes envolve investimentos básicos que geram muitos benefícios, tornando essa primeira aplicação muito rentável e com grandes retornos. 

Assim como é importante ter pessoas especializadas e formadas em uma faculdade gestão financeira ead na equipe de gestão financeira, quando se trata de marketing é importante que a companhia se apodere de estratégias como SEO e Email Marketing, das quais também utilizam tráfego pago. 

Veja a seguir as principais plataformas onde se pode conseguir implementar o tráfego pago:

  • Google Ads;
  • Facebook Ads;
  • Anúncios no YouTube;
  • Instagram Ads;
  • LinkedIn Ads;
  • Native Ads.

Cada uma das ferramentas para tráfego pago mencionadas possui os próprios benefícios, pois estarão sendo aplicadas em diferentes plataformas.

Quais as vantagens de usar o tráfego pago?

Como já mencionado anteriormente, a opção do tráfego pago está associada a várias vantagens que o tráfego orgânico não proporciona, ou muitas vezes oferece de forma lenta. 

O tráfego pago gera resultados expressivos de imediato e, acredite, você não precisa investir tanto dinheiro, questão que já é ensinada em graduações como o curso de gestão comercial ead melhores faculdades. Veja só como essa estratégia funciona.

Como funciona o tráfego pago?

O tráfego pago funciona basicamente através de dois métodos diferentes: CPC e CPM. Essas ferramentas por sua vez funcionam com o termo bidding, que significa ‘lance’ (no sentido de leilão, do termo em inglês). 

Essas metodologias se diferenciam porque a sua companhia pode não ser a única a querer contratar um anúncio em uma palavra chave. As ferramentas irão analisar a relevância dos resultados e o lance dado para os anúncios.

Dessa forma, essas ferramentas acabam organizando quais resultados serão mostrados primeiro. Então, confira a seguir quais as principais diferenças entre o CPC e o CPM:

  1. CPC – Cost per click (custo por clique)

Esse método costuma ser utilizado por companhias que desejam aumentar o tráfego real de suas páginas, uma vez que esse tipo de anúncio é pago por cada clique do usuário. 

Em suma, também é importante saber que existem duas subdivisões dentro desse método, o Automatic Bidding e o Manual Bidding. 

A primeira diz respeito a um valor diário que a companhia paga e, baseada nesse valor, a plataforma que hospeda o anúncio irá se empenhar em trazer o máximo de cliques para aquele valor que for possível.

Já no método manual, a companhia paga pelo tráfego apenas no momento em que algum usuário de fato clica no anúncio, ou seja, o valor acaba sendo variável. Entretanto, para essa metodologia, é possível estabelecer um limite de valor para que a estratégia não ultrapasse o orçamento. 

Para entender melhor sobre esse tipo de gestão, basta buscar uma especialização, como por exemplo a graduação em gestão de pessoas.

  1. CPM – Cost per thousand impressions (custo por mil impressões)

O método CPM tem como principal diferença do CPC o fato de que ele não se foca no número de cliques, mas na quantidade de impressões, ou seja, no número de vezes que as pessoas veem esse anúncio. 

Nesse tipo de tráfego pago, as companhias precisam pagar pelas visualizações, independentemente se elas cliquem ou não.

Essa opção de tráfego pago é uma das melhores alternativas em casos onde a companhia busca visibilidade, bem como um melhor posicionamento de marca, como por exemplo, uma companhia que acabou de entrar no mercado e está tentando fazer o seu nome. 

Além disso, é importante ressaltar que uma das vantagens desse tipo de tráfego pago é justamente o preço do seu lance em relação ao dos seus concorrentes irá definir qual anúncio aparecerá primeiro. 

Por outro lado, uma das desvantagens é que a companhia pode pagar pelas impressões e acabar não recebendo nenhum clique.

É importante ter uma boa estratégia de marketing para que seja possível definir quais são os benefícios e características cruciais, que devem ser priorizadas na hora de escolher um tipo de tráfego pago e a plataforma que esse anúncio estará hospedado. 

Isso porque, para toda ação dentro do marketing é necessário ter estratégia e escolher cada coisa com cuidado, sempre pensando qual a melhor forma de conversar com seu público-alvo para que seja possível obter os resultados almejados.

Para saber mais sobre esse tipo de estratégia é possível buscar por cursos profissionalizantes e graduações como por exemplo o curso gestão de recursos humanos ead.

Fontes de tráfego pago

Agora que já foi possível entender quais os tipos de tráfego pago que existem, veja quais as plataformas que podem hospedar os anúncios criados para atrair pessoas e cliques. 

  1. Google AdWords

O Google AdWords é uma ferramenta da Google em que os anúncios hospedados na plataforma acabam aparecendo nos mecanismos de busca do Google e demais parceiros. 

Essa plataforma dá a escolha para a companhia das duas opções de tráfego pago (CPC ou CPM).

Além disso, ao usar o AdWords é possível segmentar o público que você deseja atingir. Ou seja, a companhia consegue escolher quais são as pessoas, ou os perfis de consumidores que o anúncio deseja atingir. 

Dessa forma, os algoritmos e inteligências da plataforma tratarão de diferenciar o anúncio para aquele público predeterminado.

Um exemplo disso é um anúncio de uma companhia que trabalha com curso de gestão hospitalar ead que almeja direcionar os anúncios a jovens que almejam estudar gestão de clínicas. 

  1. Facebook Ads

O Facebook é uma das redes sociais mais utilizadas no planeta, além de fazer parte da companhia que detém várias outras redes sociais, como o Instagram e o WhatsApp, que é a Meta. 

Dessa forma, investir em anúncios neste tipo de rede social pode acabar sendo muito vantajoso, uma vez que a maioria das pessoas está de forma ativa nessa plataforma. 

Muitas companhias sérias e até mesmo empresas que trabalham com marketing nichado acabam escolhendo anúncios através do facebook, como é o caso de companhias que trabalham com gestão hospitalar.

  1. YouTube Ads

Seguindo o mesmo pressuposto das redes sociais, o YouTube Ads pode ser uma excelente ferramenta. Isso porque, atualmente, essa plataforma de vídeos online detém grande parte do tráfego online e, além disso, são poderosas ferramentas de atração e encantamento para o marketing digital.

Além disso, esse tipo de plataforma se mostra muito eficiente quando o assunto é promover seus vídeos na plataforma e utilizar disso como isca de público para o seu canal profissional, por exemplo. 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog It Business Fórum, site voltado para a veiculação de conteúdos relevantes sobre negócios, startups e estratégias para pequenas, médias e grandes empresas.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.